“Achatar a curva, aguardar o pico, esperar a vacina” são falsas bandeiras para que você aceite o enclausuramento

“Vacina contra Covid-19 não trará vida de volta ao normal, alertam cientistas”

(Rodrigo Miceli – escritor)

Levanta-se aí uma série de problemas de logística para vacinar bilhões de pessoas (um processo, sem dúvida, megalomaníaco), o tempo que isto levaria, a eficácia da vacina, etc.

Todo este processo levaria aproximadamente mais de um ano (ou seja, até o fim de 2021) e isso sem saber se funcionaria, pois o fato de muitas vacinas estarem apresentando resposta imunológica NÃO quer dizer que elas protejam contra o vírus.

Mas o ponto principal desta matéria é a confirmação de tudo que venho falando desde o início:

I – “Achatar a curva”, “Aguardar o pico”, “Esperar a vacina” : são apenas falsas bandeiras de momento para que você aceite a prisão por 15 dias, e mais 15, e mais 15… Estamos há 7 meses na pandemia e já existem rumores de que ficaremos por mais um ano.

A verdade é que o “novo normal” NUNCA VAI ACABAR.

II – Controle: Tudo se trata de pretextos para controle. A matéria fala num “passaporte de imunidade”. Lembram-se quando eu disse que eles bolariam um dispositivo de controle, um dispositivo digital, que teria ali gravado sua vacinação recente? Você só poderá viajar e trabalhar se tiver sido devidamente vacinado.

III – Experimento biológico: As tais vacinas “RNA” nunca foram feitas em massa antes e o temor da comunidade científica é que vacinas desse tipo possam adentrar o núcleo da célula e modificar GENETICAMENTE o ser-humano. Ainda que esta vacina em si não tenha esta finalidade, a porta estará aberta com a tecnologia sendo assumida como “segura”.

IV – Experimento social: As novas regras comportamentais e de distanciamento social promovem um mundo de produtos e serviços completamente diferentes. Tudo será automatizado e remoto, de modo a exigir o mínimo de deslocamento humano e gasto de energia. O dinheiro em espécie irá sumir gradativamente, e todas os nossos dados serão concentrados num único dispositivo digital (aquele mesmo que, a princípio, será usado para registrar nossa vacinação periódica)

V – Criminalização dos resistentes: Já estão falando em “ideologias anti-máscara” e “anti-isolamento”, como se a simples discordância quanto ao método de lidar com o vírus fosse uma “ideologia”, como se a liberdade de se submeter ou não a um procedimento médico controverso fosse uma “ideologia” e não um Direito Fundamental. Que vocês não se enganem: o que hoje é apenas um “rótulo”, amanhã será crime. Foi assim com “homofobia”, “transfobia”, e será assim com os “negacionistas”.

VI – Covardia: Diante da hesitação da maioria dos adultos em tomar esta vacina nova (que pulou todas as etapas de segurança e tem uma eficácia muito duvidosa), a proposta foi “tornar a vacinação obrigatória para as crianças nas escolas e para funcionários em lares de idosos” … ou seja, estão tendo como alvo crianças e idosos. Agora, além do Estado colocar ideologias doentes na cabeça do seu filho (escolas públicas), ele pode vaciná-lo como um rato de laboratório. Parabéns aos envolvidos.

(Rodrigo Miceli – escritor)


 

publicidade