Bizarrice? Universidade anuncia transplantes de útero para homens

Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Em aproximadamente 30 anos, as pessoas não precisarão fazer sexo para se reproduzirem”

Médicos especializados em fertilidade da Universidade de Liverpool, Inglaterra, estão trabalhando arduamente num projeto inovador e ao mesmo tempo inútil (em nossa opinião).

Coordenados pelo Dr. Amel Alghrani, os profissionais envolvidos no tal ‘projeto inovador’ querem permitir que homens possam gerar seus próprios filhos.

Sim … é isso mesmo que você leu! Homens, machos, cromossomos XY!

O procedimento de transplante de útero permitirá, segundo os especialistas, que transexuais que nasceram homens (cromossomos XY) e homens (que nasceram homens e continuam sendo homens) possam gerar filhos, assim como as mulheres.

O Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido informou (pasmem) que os tais transplantes deverão ser financiados pelos contribuintes […] para tal afirmação, o governo se baseou na famosa “lei de direitos iguais”.

“O transplante é uma possibilidade real que poderá propiciar aos homens a experiência da gestação” declarou o Dr. Amel Alghrani.

“Em aproximadamente 30 anos, as pessoas não precisarão fazer sexo para se reproduzirem”, informou o Dr. Professor Amel, que também leciona na Universidade de Stanford, Califórnia, EUA.

O diretor da Faculdade de Biociências de Stanford, Hank Greely, também acredita na inovação e declarou que o novo processo de reprodução terá os pais escolhendo um entre os diversos embriões que serão criados em laboratório […] obviamente utilizando seus próprios DNA.

Bem, alguém aí se lembra do famoso projeto da ovelha Dolly?

Mentes brilhantes (como essas citadas acima) tentaram clonar uma ovelha e o resultado foi um fracasso.

Quando se tenta brincar de Deus, o resultado é desastroso!


(fonte: Tiempos proféticos )

compartilhe esse post:
Follow by Email
Facebook
Google+
Twitter
Instagram
Whatsapp
Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.