Chega a beirar o ridículo que os prepostos da imprensa esquerdopata são capazes de fazer

Amanda Nunes Brückner | 08/11/2020 | 8:31 AM | MIDIA
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

(Jacó Carlos Diel – Filósofo, jornalista e bacharel em Direito – reprodução)

E o pior, não se cansam de pregar e afirmar que o fazem em nome da democracia, da ética e da imparcialidade.

Dias atrás, um desses prepostos, Otávio Guedes, da Globo News, textualmente fez a seguinte afirmação:

“Bolsonaro cospe na cara do povo quando não estende a possibilidade de pagamento do auxílio emergencial à toda rede bancária devido ao perigo da aglomeração desencadear a contaminação das pessoas pela Covid 19”.

Ou seja, dava ênfase a um suposto problema, culpando o Presidente, dando como verdade que ele cuspia na cara do povo ao não permitir que o restante da rede bancária, além da Caixa, pagasse o auxílio.

Quem assistia essa declaração, podia ter a impressão de que o declarante estava com a razão.

Mas o que ele não dizia, de propósito ou por não saber do que estava falando, era que não seria possível abrir o pagamento do auxílio emergencial a todos os bancos, porque somente a Caixa Econômica Federal possui os sistemas de controle de pagamentos de programas que vão do Seguro Desemprego ao FGTS, passando pelo PIS e outros.

Só a Caixa pode entrecruzar os dados desses sistemas a fim de evitar fraudes e pagamentos indevidos.

Os demais bancos não possuem tais dados ou concentrações de informações.

Esse não é um caso isolado.

Muitos representantes dessa “corporação do mal” tratam a figura do Presidente com indisfarçável juízo de valor errôneo, pejorativo, para dizer o mínimo.

Muitas vezes generalizam, fazendo alegações como: genocida; antidemocrático; homofóbico; grosseiro; censurador e muitos outros adjetivos maldosos.

Além do mais, pela falta de escândalos de corrupção e não satisfeitos, até porque o Presidente da República nem questiona direito de resposta (tal o grau de importância que dá a esses ataques infundados)  até já desejaram a morte de Bolsonaro, como o fez o jornalista Hélio Schwartzmann, da Folha de S.Paulo.

Comportamento só comparável ao de uma verdadeira máquina de pejorativos e Fake News.

Não bastasse isso, tem mais integrantes dessa “corporação do mal, com os seus mandamentos”: “Vamos incendiar o país” – do MST; “Vamos fazer uma guerra civil” – da CUT; “É preciso derramar sangue” – Benedita da Silva, PT; “Vamos fuzilar” – Mauro Iasi, PCB; “Vai morrer gente” – Gleisi Hoffmann, PT; “Eles vão apanhar nas ruas” – José Dirceu, PT.

Onde estão os atos que possam caracterizar Bolsonaro como autoritário, antidemocrático, genocida, homofóbico, grosseiro, censurador?

 


 

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.