Comandante de Unidade de Elite fala sobre decisão ‘desastrosa’ do STF

Amanda Nunes Brückner | 18/08/2020 | 2:13 PM | BRASIL
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.

Nota: A Coordenadoria de Recursos Especiais (CORE) é uma unidade especial da Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro, destinada à intervenção policial em ocorrências que exijam excepcional adestramento, pela complexidade do trabalho e riscos que o envolvem.

STF proíbe uso de helicópteros em operações nas comunidades do Rio

Mais uma decisão estupidamente inconstitucional (ou inconstitucionalmente estúpida, escolham aí) desse circo de horrores injurídicos em que se transformou o Supremo Tribunal Federal, restringindo a atuação da polícia no Rio de Janeiro. (saiba mais …)

Delegado Fabricio Oliveira – Coordenador da CORE

Coordenador da CORE fala sobre a proibição

(via portal Tribuna DiáriaTribuna Diária)

Perguntado pela Redação do Tribuna Diária sobre uma possível proibição de disparos e até mesmo do uso de aeronaves em operações táticas nas favelas do Rio, o Comandante, Delegado de polícia e Coordenador da CORE – RJ nos esclareceu a verdade sobre o assunto:

“Antes de mais nada, é preciso enfatizar que a aeronave constitui um importante instrumento na preservação de vidas. O número de policiais feridos ou mortos em ações com o emprego de aeronaves é próximo a zero e inexistem registros de civis mortos por disparos de aeronaves. De igual forma, reduz-se drasticamente o risco de confrontos durante as operações.

O emprego de helicópteros policiais nas operações de segurança pública é imprescindível para: levantamento de informações de áreas conflagradas, transporte e desembarque de equipes em locais de risco ou de difícil acesso, orientação em tempo real das equipes de solo, cobertura aproximada da progressão de policiais e a neutralização de ameaças às vidas de agentes, além do salvamento e evacuação de feridos.

Os criminosos, que normalmente se sentem à vontade durante as operações, por conhecerem bem a geografia das favelas, portarem armas de alto poder destrutivo e empregarem táticas de guerrilha, acabam ficando desorientados com a atuação dos helicópteros, que possuem grande poder de dissuasão e posição de vantagem no teatro de operações.

A experiência nos demonstra que os confrontos em áreas conflagradas se estendem por horas e se espalham pelo terreno quando não há o suporte aéreo, aumentando de maneira exponencial o risco às vidas de inocentes. Sem a aeronave, muitas vezes, há dificuldade em quebrar a resistência dos criminosos que, escondidos em buracos, atrás de barricadas, de seteiras e do alto das lajes buscam atacar as equipes.

Vale dizer que a adoção desse apoio aéreo em situações de alto risco facilita a cessação do confronto horizontal entre criminosos e policiais que estão em solo, diminuindo bastante a possibilidade de danos colaterais dos disparos de fuzis que podem fazer uma vítima a quilômetros do local.

Excepcionalmente, quando necessária a preservação da vida de policiais ou de civis em legítima defesa, os disparos efetuados das aeronaves são muito mais seguros que aqueles efetuados  pelas tropas terrestres, visto que o tripulante consegue neutralizar o agressor tendo o solo como anteparo dos tiros da aeronave.

Além disso, é preciso esclarecer que não há incidência de balas perdidas a partir dos disparos realizados das aeronaves, sendo equivocada a afirmação de que esses disparos colocam a população em risco. Afinal, quando realizados em legítima defesa, partem de equipe altamente treinada e com total visão de campo. Por isso, nos últimos anos o número de inocentes mortos por tiros disparados dos helicópteros da Polícia Civil no Rio de Janeiro é ZERO. Frise-se, não há disparos acidentais ou equivocados que tenham partido das aeronaves.

A presença do helicóptero também diminui de maneira drástica os disparos efetuados a esmo, sem qualquer compromisso pelos criminosos, uma vez que eles não querem ser localizados facilmente pela Polícia. Esse fator contribui muito para a redução de vítimas inocentes dos criminosos nas operações com apoio aéreo.

Em suma, a proibição de disparos a partir de  helicópteros poderá implicar em graves consequências, tanto para a população, como para a Polícia. É tirar da Polícia o direito de legítima defesa e arrancar da sociedade uma ferramenta extremamente importante para o combate ao crime organizado. O resultado prático dessa proibição seria o incremento da violência dos delinquentes e o aumento de mortes de inocentes e de policiais nas operações.”


Helicóptero da Polícia sendo recebido à tiros de 0.50 ao sobrevoar favela do Rio:

NOTA IMPORTANTE !

O presente texto tem como finalidade  esclarecer, sob o ponto de vista técnico, a importância de se contar com o apoio de aeronaves em operações policiais, notadamente no Rio de Janeiro.

Fabricio Oliveira

Delegado de Polícia

Coordenador da CORE

Polícia Civil do Rio de Janeiro

Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.