Denúncia na PGR: “700 mil kilos de picanha e 80 mil cervejas para comandos das Forças Armadas”

10/02/2021

Os deputados Vilson da Fetaemg (MG), Elias Vaz (GO), Alessandro Molon (RJ), Denis Bezerra (CE), Lídice da Mata (BA), Camilo Capiberibe (AP) e Bira do Pindaré (MA) fizeram um levantamento no orçamento federal e descobriram que os comandos das Forças Armadas adquiriram, através de licitação, cerca de 80 mil unidades de cerveja e 700 mil quilos de picanha.

Em denúncia foi encaminhada à Procuradoria-Geral da República (PGR), os parlamentares afirmam que as compras revelam “o uso de recursos com ostentação e superfaturamento” e a “falta de zelo e responsabilidade com o dinheiro público” por parte das Forças Armadas.

Ainda de acordo com a denúncia, foi constatado que houve um superfaturamento desses produtos em mais de 60%.

No documento, eles apontam que a compra de 1.008 latas de Bohemia Puro Malte de 350ml foram adquiridas pelas Forças Armadas pelo preço unitário de R$ 4,33. No entanto, em levantamento feito nos supermercados a mesma cerveja foi encontrada pelo preço de R$ 2,59, constatando um sobrepreço de 67%.

Já as garrafas da mesma bebida de 600ml foram compradas pelo governo federal por R$ 7,29, enquanto na pesquisa de mercado ela podia ser encontrada por R$ 5,79.

Quanto às carnes ‘nobres’, os parlamentares destacaram, especialmente, o alto custo da picanha, comprada por R$ 118,25, o quilo.

“A associação de 700 mil quilogramas de picanha e 80 mil itens de cerveja em compras públicas não parece ser um exemplo de gestão alinhada ao Princípio da Moralidade Pública. As quantidades citadas, entretanto, demonstram a falta de bom senso, ética, respeito e parcimônia na execução orçamentária. Para nós, trata-se de um comportamento ilegal e imoral por parte desses gestores, especialmente em um ano de pandemia e crise econômica”, afirmam os parlamentares.

DOCUMENTO DA DENÚNCIA (GOOGLE DRIVE)


*** PS:Denúncia partiu de deputados de oposição, então não custa ter um pé atrás ***

(via Congtesso em Foco)

 

0 0 votes
Article Rating

Deixe um comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments