Ex-filiado do PSOL esfaqueia Bolsonaro. Deputado do PSOL renuncia ao mandato e sai do país

25/01/2019

(Patrícia Carvalho)

No dia 10 setembro de 2018 (3 dias após Bolsonaro ser esfaqueado), o site Antagonista publicou (com exclusividade) uma matéria que dizia o seguinte:

“Adélio Bispo de Oliveira, que tentou assassinar Jair Bolsonaro, esteve na Câmara dos Deputados em 6 de agosto de 2013. Sua entrada foi registrada na portaria do Anexo IV”

“Ainda não há detalhes sobre quem Adélio teria visitado nem o motivo de sua presença. Ele era então filiado ao PSOL, que tinha três deputados: Jean Wyllys, Ivan Valente e Chico Alencar.”

Pois bem … a investigação deu uma ‘pausa’ durante o fim do governo Temer.

Com Bolsonaro no comando, a PF pediu mais 90 dias para investigar novas informações que surgiram desde o atentado.

Vamos fazer agora um exercício de reflexão … vamos repetir … uma reflexão … não se trata de uma acusação.

Adélio era filiado ao PSOL ► Adélio visitou um deputado do PSOL na Câmara ► Adélio esfaqueou o candidato Jair Bolsonaro ► Polícia Federal retoma as investigações ► Deputado do PSOL renuncia ao mandato e diz que vai deixar o país porque está sofrendo ameaças.

Não é estranho? Ou será que eu (Patrícia) estou ficando neurótica?