General sobre o STF: “Parece um tribunal de inquisição. Ministros que protegem corruptos”

29/07/2021

Nota do Clube Militar

SUPREMA CORTE DESMORALIZADA

por Gen Div Eduardo Barbosa

Inacreditável o nível vergonhoso de hipocrisia assumido pelo STF, utilizando sua página oficial para lançar assertiva mentirosa, buscando confundir a opinião pública.

Muito provavelmente para respaldar uma CPI esdrúxula, que mais parece um tribunal de inquisição, o STF vem a público afirmar que não impediu o Executivo Federal de coordenar as ações no combate à pandemia, quando todos que sabem ler um mínimo de português podem constatar que as decisões do Supremo deram a Governadores e Prefeitos o poder absoluto para decidirem o que bem entendessem, inclusive com medidas inconstitucionais e desvio escancarado de recursos públicos.

Isto, com certeza, contribuiu para piorar as consequências nefastas da pandemia, em muito lembrando governos passados rechaçados pela população em 2018, mas ainda protegidos por Ministros escolhidos, exatamente, por esses corruptos que permanecem impunes.

Não é de se estranhar que esses mesmos Ministros, não eleitos pelo povo, se promiscuam em discussões políticas (que não lhes cabem) e defendam, com vigor exacerbado, que não se melhore nosso sistema eleitoral para que seja mais transparente, com discurso semelhante àqueles que quase destruíram nosso País e desejam voltar ao poder.

Se o atual sistema é defendido pelos corruptos que não o querem transparente, já é um forte indício de que há algo errado…..

 

0 0 votes
Article Rating

Deixe um comentário

5 Comentários
Oldest
Newest Most Voted
Inline Feedbacks
View all comments
AIRTON

INTERVENÇÃO MILITAR FEDERAL URGENTÍSSIMO.

José enefitale

SERÁ QUE ÀS FORÇAS ARMADAS DÁ UM BASTA NESSA CORJA CONGRESSO É NÓ SUPREMO….O POVO TÁ PEDINDO UMA SOLUÇÃO

Dermy P. Sou

Esses milicos que vão cuidar das fronteiras. Acabar com entradas de armas, drogas, e acabar em com as milícias. Mas, não!!! Eles querem é o poder e a mamata. O quê, fazem as forças armadas em prol desta nação chamada BRASIL? RESPONDAM!!!

Isolino Pereira Vendas Junior

General: tenho 80 anos e já vi este filme em 1964 e confesso que nossa salvação foram as forças armadas,já vi várias entrevistas de oficiais afirmando que só podem combater estes desmandos em nossa pátria,se o povo for as ruas.Como podemos ir as ruas protestar se o supremo nos ameaça de prisão? se ordenam prisão de jornalistas,de deputados federais em total desrespeito a constituição,imagine nós cidadãos comuns?A carta magna de 1988 diz claramente que o poder emana do povo,Será que o povo a qual ela se refere são os 11 ministros do supremo? Portanto General nossa fé,nossa esperança da salvação de nossa democracia dentro dos direitos constitucionais de nosso país,de dias melhores para o povo está nas mãos de nosso exército,nossa marinha e nossa aeronáutica .

Jose Luiz Ciniello RG: 05.8U99.558 CPF 591 742 428 49

O que deixa a grande maioria da população indignada, é que o atual governo propõe um projeto que deixa a mostra a completa lisura da real vontade popular nas urnas, quer que seja para um lado como para o outro. Não falo em defesa de Jair Bolsonaro , de Luiz Inácio ou de qualquer outro candidato que concorra nas eleições a partir do voto impresso aditável Falo de um sistema limpo e claro para qualquer que seja o candidato que concorra a qualquer cargo eletivo no nosso Pais. O impedimento ou tentativa de impedimento de um sistema que impeça isso, deixa muito clara a vontade certa de promiscuir a eleição. Qualquer individuo com dois neurônios, e que seja capaz de raciocinar mediocremente, sabe ou deveria saber que esse sistema atual é comprovadamente fraudável. Não sou obrigado a acreditar e tão pouco confiar em ministros que já se mostraram defensores da desordem e do quanto mais desastroso melhor para instalar o CAOS no pais. Para mim é muito simples : Sem voto impresso , Sem eleições até que seja reestabelecida a ordem e o cumprimento da constituição. Nota : Se eu tiver uma moeda de 5 centavos e tiver que deixa-la na guarda de um desses ministros ou na mão do Marcola, deixo-a com o presidiário.