Imprensa brasileira escondeu: China usa cloroquina desde fevereiro

Guilherme Santiago | 22/08/2020 | 2:05 AM | INTERNACIONAL
Want create site? Find Free WordPress Themes and plugins.


País comunista tem 1,4 bilhão de habitantes e número de mortes não chega a 5 mil

Sabe qual a razão dessa taxa de mortalidade tão baixa?

C L O R O Q U I N A

Em um artigo publicado em fevereiro, antes mesmo que a doença tivesse um nome, cientistas chineses apontaram um medicamento anti-malária como um tratamento promissor.

Em 4 de fevereiro, quando uma nova cepa de coronavírus – oficialmente apelidada de SARS-CoV-2 – fervilhava em Wuhan, um artigo foi publicado na revista científica Cell Research .

Escrita por cientistas do Instituto de Virologia de Wuhan, a carta resumia as descobertas promissoras de um experimento recente.

Em um tubo de ensaio, o coronavírus foi “potentemente bloqueado” por duas drogas: remdesivir e cloroquina.

A carta foi a primeira indicação de que a cloroquina, um medicamento contra a malária amplamente disponível e barato, poderia ser útil na luta contra o COVID-19, à medida que a doença causada pela nova cepa do coronavírus se tornasse conhecida.

Notavelmente, um dos autores foi a “mulher morcego” da China Shi Zhengli, uma formidável virologista e especialista em coronavírus que montou um banco de dados enciclopédico de vírus transmitidos por morcegos ao longo de sua carreira de décadas.

Ela também liderou a equipe que primeiro sequenciou o genoma do SARS-CoV-2 e identificou o vírus como um parente próximo de um coronavírus encontrado em morcegos ferradura de Yunnan.

O que os virologistas observaram ao microscópio foram as poderosas propriedades repelentes da cloroquina, que vieram à tona logo após a epidemia de SARS em 2003.

Como a cloroquina funciona é um mistério até para os cientistas, mas o que está claro é que a droga opera em vários níveis para evitar que um vírus sequestre uma célula.

Os coronavírus precisam de um ambiente ácido para entrar nas células humanas.

A cloroquina, sendo alcalina, bloqueia o vírus elevando o nível de pH do corpo.

A droga também previne o pico de proteínas do lado de fora do vírus de se ligarem a um receptor celular, impedindo um processo chamado “glicosilação”.

De maneira mais geral, a cloroquina estimula o sistema imunológico, o que aumenta indiretamente a capacidade do corpo de lutar contra um vírus.

Significativamente, o medicamento fornece essa proteção em dois estágios – antes e depois da infecção da célula – indicando que pode ser usado como profilático.

Os virologistas de Wuhan confirmaram que os efeitos bloqueadores do vírus “antes e depois” da cloroquina eram claramente evidentes em células infectadas com novos coronavírus.

Eles recomendaram testes clínicos em humanos, observando que as propriedades de reforço imunológico da droga podem “sinergicamente” aumentar o efeito antiviral em pacientes que sofrem da doença, que ainda não foi nomeada.

Os autores escreveram posteriormente que a cloroquina “parece ser a droga de escolha para uso em larga escala devido à sua disponibilidade, histórico de segurança comprovada e um custo relativamente baixo”.

A cloroquina se tornou recentemente uma das drogas mais acumuladas no planeta depois que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, declarou que era um “grande fã” da droga, que se mostrou promissora em um pequeno estudo de médicos franceses.

Os CDC’s nos Estados Unidos tem relutado em endossar cloroquina ou hidroxicloroquina para o tratamento de COVID-19 devido à escassez de dados clínicos.

O Dr. Otto Yang, especialista em doenças infecciosas da Universidade da Califórnia em Los Angeles, explicou em uma entrevista à TIME que experimentos in vitro promissores nem sempre correspondem às expectativas: “O problema é que o que acontece no laboratório frequentemente não corresponde prever o que acontece em um paciente. ”

A Organização Mundial da Saúde lançou tardiamente um ensaio clínico em grande escala há duas semanas. Tanto a cloroquina quanto o remdesivir serão testados em pacientes na Europa.

Enquanto isso, médicos na cidade de Nova York e em todo o mundo estão usando cloroquina e hidroxicloroquina em uma base off-label para pacientes desesperadamente enfermos.

O tempo dirá se suas descobertas confirmarão o que os virologistas de Wuhan notaram há quase seis meses.


 

compartilhe esse post:
Follow by Email
Facebook
Google+
Twitter
Instagram
Whatsapp
Did you find apk for android? You can find new Free Android Games and apps.