Caso queira nos ajudar diretamente, através do PayPal, clique no botão abaixo

Programa Nuclear Brasileiro será retomado

Brasil retoma produção de urânio

No país, o minério é usado dentro de usinas nucleares e para a propulsão nuclear de submarinos.

Com a inauguração de uma nova mina, na Bahia, o Brasil retomou, depois de cinco anos, a produção de urânio.

O anúncio ocorreu em cerimônia nesta terça-feira (1º), na Unidade de Concentração de Urânio das Indústrias Nucleares do Brasil (INB), no município de Caetité/BA, e contou com a presença do ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque.

Durante o evento, foi feita uma detonação, simbolizando o início da lavra a céu aberto na Mina do Engenho.

“Trata-se de uma determinação do presidente Jair Bolsonaro. Uma conquista para a INB e também para o país. Representa um fator importante para a geração de empregos e recursos para a região sudoeste da Bahia”, enfatiza o ministro Bento Albuquerque.

Segundo o Ministério de Minas e Energia, numa primeira etapa, a nova unidade tem capacidade para produzir 260 toneladas de concentrado de urânio por ano.

Mas a expectativa é que, até 2025, esteja produzindo 1.400 toneladas de concentrado de urânio; e, até 2030, 2.400 toneladas anualmente, pois existe o planejamento de entrada de outra mina em operação, em Santa Quitéria, no Ceará.

“Essa retomada é a primeira fase para consolidar a nossa proposta de tornar o Brasil autossuficiente e um exportador de urânio”, acrescentou o ministro de Minas e Energia.

Programa Nuclear Brasileiro

Segundo o Ministério de Minas e Energia, o governo federal quer retomar o Programa Nuclear Brasileiro, que prevê, entre outras ações, o estudo de mapeamento de novas jazidas no país.

Atualmente, o Brasil ocupa a nona colocação de reserva de urânio no mundo.

“Na década de 70, o Brasil mapeou só 30% do território. E, apesar de ter mapeado só 30%, somos a nona reserva. Então, se a gente retomar esse estudo, que é o planejamento do ministro Bento Albuquerque, a gente deve conseguir ter uma capacidade ainda maior de reserva de urânio”, explicou Eduardo Grand Court, assistente para Governança do Setor Nuclear, do Ministério de Minas e Energia.



 

 

publicidade


PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com