“Relativizar um crime cruel como a morte de uma criança mostra como parte da sociedade está doente”

O caso do travesti pedófilo assassino mostra como a sociedade está dividida …

Quando fiz faculdade de Direito, não consegui pensar em ser criminalista.

Pensava em ser promotora, em acusar, nunca em defender bandido.

Tenho queridos amigos que são criminalistas, advogados éticos e que usam sua profissão para fazer justiça, mesmo que seja ao lado de um brandido.

Eu não consigo…

Agora… querer relativizar um crime cruel como a morte de uma criança após um estupro mostra que não é só o assassino que está doente!!

Mostra que uma parte da sociedade perdeu a noção do que é certo ou errado… que cada um deve arcar com suas escolhas!!

Um bandido que não recebe uma visita há 8 anos deve ter feito coisa muito pior com quem era próximo… ninguém é ignorado por tanto tempo!!

Fico aqui pensando se a vítima fosse o neto do Lula se a comoção seria a mesma….

Tá com pena??

Chama ele pra ser babá do seu filho!!

Quero ver ter coragem!!!


Dr. Dráuzio

Farei uma defesa, mesmo não precisando…

Eu conheço o Drauzio Varella…

Ele é amigo do meu pai há mais de 50 anos…

Uma das pessoas mais doces que já conheci…

Sim, ele é capaz de abraçar um assassino, mesmo assassino do seu filho…

Não é teatro! Ele é assim!!

Poderia fazê-lo fora das câmeras e não glamorizar um pedófilo assassino, com certeza!!

As pessoas tem que ter o direito de fazer o que querem, mesmo a gente não concordando.

O que não pode é relativizar crimes tão brutais!!


(Flávia Ferronato – coordenadora nacional do MOVIMENTO dos ADVOGADOS do BRASIL | via rede social)

publicidade